MÓDULO II – mastofauna

 

Técnicas de Levantamento, Monitoramento, Resgate e Destinação de Mastofauna

 

Nos últimos anos, a classe Mammalia tem sido o grupo mais estudado dos vertebrados. Apesar disso, em virtude de serem animais de difícil captura e visualização, bem como pelos hábitos crepusculares, ainda existem muitas espécies desconhecidas. A perda e a fragmentação de habitat, principalmente aquelas resultantes de atividades humanas, constituem as maiores ameaças aos mamíferos terrestres no Brasil. A baixa densidade local de muitas espécies de mamíferos e o tamanho de suas áreas de vida, aliados ao habito noturno, dificultam a realização de estudos de determinação da composição,estrutura e dinâmica dessas populações, sendo assim, o emprego de indicadores indiretos da presença de mamíferos se torna uma alternativa mais barata e rápida de amostragem.

Os tópicos abordados serão:

  1. Levantamento da Mastofauna
    • Definição
    • Importância

      1.2.1. O Papel  Biológico e Diversidade

  • Fluxograma do Levantamento
  • Critérios e procedimentos

      1.4.1. Autorização para Captura, Coleta, Manipulação e Transporte de

       Animais Silvestres.

      1.4.2. Protocolo de Biossegurança para Atividades de Campo

  • Fontes de Erros
  • Protocolo mínimo para levantamentos de Mamíferos Silvestres em Estudos

      de Impactos Ambientais

  • A escolha dos grupos de bio-indicadores
  1. Métodos de levantamento da Mastofauna
    • Levantamentos Qualitativos e Quantitativos (Descrição, unidade amostral e

       desenho amostral)

  • Método de Linear Transeção
  • Armadilhas de Pegadas
  • Armadilhas Fotográficas
  • Armadilhas de Interceptação e Queda (Pitfall traps with drift fence)
  • Armadilhas Gaiolas (Sherman e Tomahawk)
  • Redes de Neblina (morcegos)
  • Captura por Busca Ativa em Abrigos
  • Usando playback
  • Variáveis Ambientais
  • Avaliação Ecológica Rápida (RAP)
  • Variáveis Ambientais
  1. Análises de riqueza da Mastofauna
    • Estimadores de Riqueza de Espécies
    • Índices de Diversidade de Espécies
    • Índices de Similaridades de Espécies
  1. Diagnóstico da Mastofauna
    • Fases de diagnóstico de mamíferos selvagens fazer
      • Relação de espécies (Check list)
      • Categorias de Ameaças
    • Análises das Informações
      • Parâmetros de Riquezas em Espécies
      • Parâmetros de Diversidade em Espécies
      • Parâmetros de Similaridade em Espécies
  1. Monitoramento da Mastofauna
    • Protocolo de Monitoramento de Mamíferos Silvestres
    • Monitoramento de Mamíferos Silvestres pelo Protocolo RAPELD
    • Rastreamento de Mamíferos através de telemetria por rádio e satélite
    • Monitoramento de pontos de travessia de médios e grandes mamíferos
    • Monitoramento e Mitigação de Atropelamento de Mamíferos
    • Monitoramento de Passagens de Fauna
    • Monitoramento das espécies em Áreas Diretamente Afetadas (ADA), da

       Área de Influência Direta (AID) e da Área de Influência Indireta (AII) dos

       empreendimentos licenciados.

  1. Resgate ou salvamento da Mastofauna
    • Resultado do levantamento ou monitoramento prévio.
    • Esforço de Resgate ou Salvamento da Fauna.
    • Métodos de captura
    • Marcações e Registros
    • Métodos de Sacrifício
    • Triagem e seleção.
    • Destinação pretendida.
    • Procedimentos de transposição.
    • Critérios de Seleção de Áreas de Soltura – Relocação
  1. Destinação da Mastofauna
    • Coleções Científicas
    • Coleções Didáticas
    • Centro de Reabilitações
    • Legislação Específica
  1. Elaboração de relatórios dos resultados
    • Dados Primários x Dados Secundários.
    • Como apresentar os resultados de levantamento e monitoramento de fauna

       em diferentes estudos requeridos pelo órgão licenciador.

  • Elaboração de Relatórios dos Resultados (lista de espécies, parâmetros de

       riqueza e abundância das espécies levantadas/monitoradas, índices de

       eficiência amostral e de diversidade, por fisionomia ou habitat e grupo

       monitorado, contemplando sazonalidade em cada unidade amostral

       demais parâmetros estatísticos pertinentes; discussão e conclusão dos

       impactos gerados pelo empreendimento na fauna, observando a

       comparação entre áreas interferidas e áreas controles; proposição de

       medidas mitigadoras para os impactos detectados pelo monitoramento

       faunístico.

  • Elaboração de Relatórios dos Resultados de Resgate/ Salvamento e de

       Destinação.